Prefeitura marechal
busque por título

Polícia

tudo na hora

16/12/2011 às 23:46

Taturana: juiz afasta prefeito e deputados do mandato

(Créditos de imagem: )

O juiz Helestron Costa, da 17ª Vara da Fazenda Pública de Maceió, determinou na tarde desta sexta-feira (16) que ficam afastados do exercício de seus mandatos e funções públicas os deputados estaduais João Beltrão e Cícero Ferro, o deputado federal Arthur Lira, o prefeito de Roteiro, Fábio Jatobá, o ex-deputado estadual Celso Luiz e a filha de João Beltrão, Jully Beltrão. Além disso, o magistrado decretou o bloqueio dos bens de todos eles. Os seis são réus em processo por improbidade administrativa decorrente da Operação Taturana, da Polícia Federal, deflagrada em 2007 e que envolve vários outros políticos, servidores públicos e funcionários de empresas privadas. Na próxima segunda-feira (19), deve haver decisões do mesmo magistrado contra mais uma leva de réus da Taturana. Entre estes, os mais conhecidos são o ex-presidente e hoje vice-presidente da Assembleia, deputado Antônio Albuquerque, e o ex-deputado federal Francisco Tenório, atualmente preso sob acusação de mandante de homicídio. Como o processo envolve quebra de sigilos fiscal e bancário, ele corre em sigilo de Justiça e os detalhes das investigações não podem ser divulgados. Medida acautelatória A decisão desta sexta-feira ainda não é uma condenação dos seis réus no processo. É uma medida acautelatória tomada pelo magistrado na ação de improbidade administrativa. O processo em que os seis são réus é o que está mais adiantado. Há várias ações contra os envolvidos na Taturana, e esta é apenas uma delas; há réus que respondem a vários processos por conta da operação da PF. Dos seis atingidos nesta sexta pela decisão do juiz Helestron Costa, quatro estão no exercício de mandatos ou cargo eletivo: o prefeito Flávio Jatobá e os deputados Arthur Lira (que na época da Taturana era deputado estadual), João Beltrão e Cícero Ferro – este último, suplente de deputado estadual, exerce atualmente o mandato em virtude da licença do deputado Maurício Tavares que já está no fim; e deveria “emendar” o mandato interino com a licença do deputado Dudu Holanda. Celso Luiz, ex-presidente da Assembleia, é apontado pela Taturana como um dos “chefes da organização criminosa” acusada de desviar R$ 302 milhões da Assembleia. A filha de Beltrão não tem função pública conhecida – e nem poderá ter, pelo menos por enquanto. Salários preservados Pela decisão do magistrado, enquanto durar a instrução do processo, os deputados e o prefeito estarão afastados dos mandatos e das funções públicas que exerçam, mas preservam os salários (ou subsídios). João Beltrão e Cícero Ferro não poderão receber a verba de gabinete da Assembleia e, no caso de Arthur Lira, a verba equivalente da Câmara Federal. O mesmo deverá acontecer com Antônio Albuquerque a partir de segunda-feira, se confirmada a sentença em que ele é réu. No caso de Francisco Tenório, com a sentença do magistrado, mesmo que fosse libertado, não poderia reassumir seu cargo de delegado da Polícia Civil, uma função pública, embora mantenha o salário que continua recebendo.

Deixe seu comentário

0 comentários