Postada em 15 de junho de 2017 às 15:33
O documentário que revela a fraude da Herbalife
'Betting on Zero', disponível na Netflix, conta como a empresa explora imigrantes latinos 
Andrés Rodríguez / El País Brasil
Comentar
Tamanho da letra
O milionário Bill Ackman em um fotograma da fita
Foto: Reprodução
O milionário Bill Ackman em um fotograma da fita
Julio Ulloa, do Equador, tinha uma firma de construção nos Estados Unidos que funcionava muito bem. Em 2012, um representante da empresa de nutrição Herbalife bateu à sua porta oferecendo-lhe a oportunidade de obter mais renda. Disse-lhe que com a comercialização de suplementos poderia ganhar entre 20.000 e 80.000 dólares por mês (65.500 e 260.000 reais). Começou a entrar com tudo no negócio. Trocou a construção por um clube promocional que promovia a marca e comprava mercadoria avaliada em milhares de dólares. “Meu provedor me dizia: 'Quanto mais você gasta, mais ganha”. Os meses se sucediam, mas os artigos dietéticos não eram comprados e suas dívidas continuavam crescendo, até que a verdade inevitável o golpeou. O sonho americano de riqueza com um trabalho fácil e sem perigo fora uma ilusão.

Ulloa viu como lhe “roubaram os sonhos”. Dele e centenas de milhares de latinos que perderam nos Estados Unidos de 8.000 a 22.000 dólares (26.000 e 72.000 reais) por apostar nos produtos da Herbalife. O documentário Betting on Zero, de Ted Braun, recupera essas histórias e a encruzilhada do bilionário de fundos de investimento Bill Ackman para desvendar o modelo de negócio da Herbalife como a maior fraude piramidal da história.

Em meio a um fogo cruzado, as histórias da comunidade latina são introduzidas em um filme que busca retratar o sonho americano sem final feliz. “Foi uma oportunidade para saber qual é o lugar do dinheiro no chamado sonho americano pela lente que reflete o conflito corporativo e uma história que tem ramificações em todo o mundo, e que se conecta com a vida do cidadão comum”, explica o realizador, por telefone.

Braun diz que foi difícil ligar as diferentes partes da história, sobretudo pela negativa da Herbalife de participar do documentário. O realizador preencheu esse vazio com material de arquivo de entrevistas e intervenções públicas dos dirigentes da empresa. Isto, mais as contribuições de distribuidores, ajuda a explicar como funcionam as empresas de marketing multinível (também chamado de marketing de rede). O relato é satisfatório intelectual e emocionalmente. “Tornou-se uma obrigação levar a audiência a se colocar no lugar de muitas pessoas envolvidas nesses complicados conflitos. Era muito importante para mim que vissem e entendessem como era o mundo do ponto de vista dos distribuidores e executivos da Herbalife”, afirma Braun.

Censura, polêmica e ameaças

O documentário, que recebeu uma menção especial do júri no festival de Tribeca na categoria de melhor investigação cinematográfica, em 2016, não esteve livre de polêmica. Braun denuncia que a Herbalife, com presença em 95 países e uma rede de 3,2 milhões de distribuidores, boicotou uma projeção do filme na Galeria Nacional de Retratos, em Washington, em outubro. O diretor diz que a advogada Heather Podesta e os sócios de sua firma de lobby compraram 173 entradas, a metade da sala, e deixaram os assentos vazios durante a exibição.

Este e outros ataques complicaram a difusão de Betting on Zero. Apesar das tentativas de sabotagem, o filme conseguiu manter-se como o documentário mais visto no iTunes durante as primeiras três semanas de seu lançamento em abril e agora quer ampliar sua audiência com a estreia na Netflix.

No documentário, a Herbalife é acusada de focar seu negócio na comunidade de imigrantes e de levar seu modelo a países em vias de desenvolvimento. Por causa disso, a ativista latina Julie Contreras e o grupo de ex-distribuidores fraudados foram intimidados por simpatizantes da Herbalife, com ameaças de denunciá-los para que fossem deportados se continuassem difamando a empresa.

Segundo Braun, muitas das denúncias feitas pelo grupo de Contreras foram levadas em consideração na investigação realizada pela Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos, na qual foram encontradas quatro práticas comerciais e enganosas. Por essa razão, as autoridades ordenaram que a empresa pagasse 200 milhões de dólares (655 milhões de reais) a quase 350.000 pessoas que perderam dinheiro na aquisição de suplementos nutricionais, além de reestruturar seu modelo de negócio. “A todo momento mantivemos nossa independência com o filme. Não mentimos em nenhuma das partes mostradas neste documentário e trabalhamos assiduamente para entregar uma obra que não fosse apenas advocacia e que levasse ao entendimento de toda a situação”, finaliza. 


0Comentário
Deixe seu comentario
O seu comentário está sujeito a aprovaçao pela direção do portal.

Nome, E-mail e Telefone, são obrigatórios.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE


Todos os direitos reservados - 2013 - 2017 Lúmen Web Sites